sábado, 12 de maio de 2012

CEMIG corta árvores centenárias na zona rural para passar rede - Capa JM



Geórgia Santos - 12/05/2012


Ambientalista denuncia desmatamento de árvores centenárias ao Ministério Público. A partir de denúncias que chegaram ao ambientalista e coordenador do blog Voz do Cerrado, Cacá Perez, de que árvores da espécie Copaíbas (Pé de Óleo) estavam sendo derrubadas em área rural, próximo à comunidade de Santa Rosa, o Ministério Púbico foi acionado, bem como a Polícia Ambiental para investigar o caso.

Segundo Cacá, a denúncia foi encaminhada por escrito e também com fotos por um produtor rural e, a partir disso, foram acionados os órgãos competentes para averiguarem a situação. “Entendemos que se trata de um crime ambiental absurdo cometido pela Cemig, que deseja passar uma linha de transmissão pelo local. É possível perceber nas fotos, que próximo às árvores existe pastos. Então, questiono por qual motivo a companhia não passa a linha de transmissão neste ambiente”, explica Cacá.

Diante da denúncia, o ambientalista diz que entrou em contato também com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, solicitando a fiscalização da prefeitura neste serviço. “A partir desta movimentação, espero que a empresa paralise a atividade ou mesmo esclareça o motivo de estar derrubando árvores centenárias. As fotos foram divulgadas na internet, bem como em redes sociais, com o intuito de sensibilizar representantes da Cemig”, afirma Cacá.

Por sua vez, o diretor de Recursos Ambientais da Semat, José Sidney, explica que é preciso levar em consideração a tensão da rede elétrica. Estas áreas por onde passa a Cemig normalmente são particulares e, por questão de segurança, é preciso fazer a supressão da vegetação, pois durante as chuvas, áreas com muitas árvores atraem raios e, com a rede elétrica passando pela região, poderiam causar problemas.

“Então, por onde passa a rede é preciso ter uma área de servidão, um espaço em que não podem existir árvores de grande porte e, neste caso, as Copaíbas. Já quanto à autorização para o corte, se a rede passar por área particular, a Cemig precisa ter a anuência do proprietário, bem como de órgãos ambientais e, neste caso, por se tratar de área rural, a autorização deve ser emitida pelo Estado, através do Instituto Estadual de Florestas”, afirma José Sidney, ressaltando que é preciso ter as duas autorizações para o corte.

O gerente de relacionamento da Cemig, Hudson Elvis Ferreira, confirma o posicionamento da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e ressalta que a Cemig tenta evitar essa situação de ter de derrubar árvores para a realização do serviço, mas em alguns casos é inevitável, quando é preciso passar por áreas de reserva ambiental. E, além disso, o gerente garante que nestes casos as autorizações foram emitidas junto aos órgãos ambientais e ao proprietário.

http://www.jmonline.com.br/novo/?noticias,2,cidade,61860

Um comentário:

Carlos Perez disse...

Muito me espanta as justificativas do Sr. José Sidney da Secretaria de Meio Ambiente. Acredito que uma das tarefas da Secretaria é buscar sempre a defesa do meio ambiente, principalmente por se tratar de APA do Rio Uberaba. Com tanta área livre de pasto, sem qualquer arbusto, faltou no mínimo, bom senso e um pouco mais de estudo buscando o equilíbrio ambiental e o desenvolvimento com sustentabilidade. A justificativa do Sr. Hudson da CEMIG também é contestável. Uma linha de copaíbas indefesas, comparado com o vasto pasto sem qualquer vegetação de médio e alto porte, como o próprio denunciante verificou, é de uma falta de bom senso absurdo. NOTA ZERO CEMIG. NOTA ZERO SR. JOSÉ SIDNEY da SEMAT. Será que o COMAM autorizou essa vergonha??? Será que a secretária Renata está de acordo com isso???

Charge do Toninho

Charge do Toninho

"AQUILO QUE NÃO PODES CONSERVAR NÃO TE PERTENCE"

Excelente frase divulgada na coluna FALANDO SÉRIO de Wellington Ramos do JM. Espero que muitos ruralistas e políticos a tenham lido.